Sexta-feira, 1 de Maio de 2009

EURÍPEDES BARSANULFO


Eurípides Barsanulfo conhecido carinhosamente como “O Apóstolo da Caridade”, nasceu na cidade de Sacramento estado de Minas Gerais, a 1º de maio de 1880, e aí faleceu a 1º de novembro de 1918, com 38 anos de idade. Foram seus pais Hermógenes Ernesto de Araújo e Jerônima Pereira de Almeida, a principio pobríssimo de haveres materiais, mais riquíssimos de virtudes cristãs, as quais enchiam o lar honrado de alegria e paz. Nos fins do século que se passou a pequenina cidade de Sacramento, mal despontava para o progresso. A estação da estrada de ferro Mogiana (mais conhecida como estação do Cipó), distava quatorze quilômetros do centro. Para Uberaba e Franca se fazia necessário uma viagem a cavalo que durava horas a fio. O comércio era precário e as mercadorias, era transportada a cidadezinha de Sacramento em carros atrelados a boi, esse percurso durava uma imensidão, cabendo ao comerciante uma despesa alta cujo valor na época chegava a cifra de dez réis por quilos. Como todas as pequenas cidades faltavam-lhe infra-estrutura e a presença de um médico José Onofre Muniz Ribeiro coroava com o bom atendimento do profissional de saúde que visava mais a caridade, do que fazer fortuna com a profissão. A combinação perfeita médico e farmácia (Manoel Gordo o proprietário) de um para uma. Com o falecimento de Manoel seu filho Clemente assumiu as rédeas da direção da fornecedora de medicamentos da cidade. Duas parteiras se revezavam na arte de fazer nascer ou ajudar no nascimento das novas crianças que iriam somar-se as demais do pequeno lugarejo. Um acidente fatal foi à causa do fechamento da farmácia, o senhor Clemente queimou-se com álcool e desencarnou. A vida em Sacramento era pacata como eram as pequenas cidades interioranas. Foi neste ambiente de tranqüilidade e pobreza que nasceu e viveu Eurípides Barsanulfo, coincidentemente com o dia do trabalho. Logo que Pôde manifestar os nobres sentimentos de que era dotado, revelou-se um menino admirável pela sua inteligência precoce, pela sua dedicação ao trabalho e ao estudo. Sua juventude não foi excepcional apesar de seus dotes, muito jovem ainda, teve de enfrentar as vicissitudes do lar, promovendo os meios de auxiliá-lo. Cresceu e viveu sempre ao lado de seus progenitores, para os quais foi um verdadeiro arrimo. No Colégio Miranda onde estudou, auxiliava os professores, lecionando os seus condiscípulos, e tal era a sua inteligência ou queda para os estudos e o magistério que se tornou o professor de seus próprios irmãos. João Derwil Miranda era o dono do colégio e gostava muito de seu discente Barsanulfo. Era dedicado aos livros e a leitura, os mestres não escondiam a admiração que tinham por seu talento e pelo caráter reto do jovem estudante. De tudo queria saber e foi através dessa curiosidade que em poucos anos conseguiu uma sólida e primorosa cultura. Trabalhou como guarda-livros no escritório de seu pai. Em janeiro de 1902, com seus professores, Dr. João Gomes Vieira de Melo, Inácio Martins de Melo, e com seu colega José Martins Borges, secundado por outros elementos, fundou o Liceu Sacramento, instituto de ensino primário e secundário, onde exerceu a cátedra, por cinco anos seguidos, com raro brilhantismo, lecionando quando se fazia necessário, todas as matérias do curso. Redigiu sempre aos domingos a “Gazeta de Sacramento”, hebdomadário por dois anos. Fez sua estréia como jornalista, escrevendo artigos sobre economia política, direito público, métodos educacionais, literatura e filosofia. Foi colaborador de outros jornais. Além desses atributos era autodidata em medicina e direito. Gostava de astronomia, filosofia, matemática, ciências físicas e naturais, literatura, com a mais extraordinária segurança e sem possuir nenhum diploma de curso superior. Voltando ainda a adolescência, Eurípides viveu-a, assim, dentro de um clima sadio, jamais participou de ruidosa boemia dos jovens. Nunca fumou e jamais experimentou bebidas alcoólicas. A par da aguda inteligência, tendo sob sua responsabilidade a formação cultural de seus irmãos, era Barsanulfo também dotado de uma bondade comovedora; bondade banhada de religiosidade. Extravasava seu sentimento religioso na igreja, onde ajudava aos domingos o padre Paixão na parte Litúrgica e entre as famílias paupérrimas de Sacramento distribuído palavras de fé e consolo; e a maior parte do salário que percebia de seu pai. Espírito evoluído afeiçoava-se a todos; inclusive, aos animais e pássaros. Seu coração era uma fonte de bondade, e nesta frase não entra o menor resquício de exagero! Para que se tenha uma idéia de sua sensibilidade afetiva, narremos um fato como ilustração. O jovem Eurípides possuía no quintal um belo pássaro: um mutum, muito manso e que vivia solto. Um dia, ele voou para o quintal do coronel José Afonso de Almeida, que o matou com um tiro no peito e o comeu. Mais tarde, sabendo que o pássaro era de propriedade de Eurípides Barsanulfo, o coronel procura-o, a fim de desculpar-se. Eurípides recebeu a noticia com água nos olhos. (Sempre afirmava casar não posso, pois já estou casado com a pobreza, Foi co-fundador da Irmandade de São Vicente de Paulo; instituição católica com objetivo de ajuda aos pobres). A sua juventude foi luminosa e bondosa. Converteu-se ao Espiritismo, mas antes alguns parentes seus já realizavam sessões mediúnicas em Santa Maria, lugarejo que distava quatorze quilômetros do centro de Sacramento, uma região montanhosa com terra vermelha e algumas casas rústicas. As sessões eram realizadas na casa de seu tio Honorato Ferreira da Cunha situada na fazenda Santa Maria, de propriedade do capitão Joaquim Gonçalves de são Roque e sua esposa Ana Petronilha de Araújo; tios de “seu” Mogico e, pois, tios-avós de Eurípides. Espírito livre, talhado para os grandes surtos da espiritualidade, era fatal o abandono futuro da religião que recebera no berço. E, assim certo dia, tendo conhecimento de espantosas curas realizadas no campo do Espiritismo, resolveu saber o que de verdade havia nesses relatos. Como seus parentes já estavam na doutrina, rumou para ali, no propósito de investigar os fatos. A tipologia foi o fenômeno que mais observou, comunicações de altas expressões filosóficas, curas maravilhosas, estudaram-as cuidadosamente como fez Allan Kardec, e, de volta, à sua terra natal, trouxe consigo as obras Kardequianas, que o levaram, afinal em 1905, a converter-se ao Espiritismo. Tornou-se o maior propagandista naquela região do estado de Minas Gerais. Durante 12 anos e sete meses foi presidente do Grupo Espírita Esperança e Caridade por ele fundado. Dependendo deste Grupo, surgiu em dois de abril de 1907 o magnífico e grande Colégio Allan Kardec, cuja matrícula chegou a 200alunos. Existem muitos enobrecedores desta grande figura do Espiritismo no Brasil, narrar todos os fatos precisaríamos construir uma grande enciclopédia. Em abril de 1917, chegou a Sacramento, de Igarapava, o coronel Azarias Arantes, acometido de grave enfermidade, a qual foi radicalmente curada pelo Espírito Bezerra de Menezes, servindo de médium Barsanulfo. A retumbância dessa cura levou algumas pessoas interessadas no combate ao Espiritismo, a moverem contra o médium um indecoroso processo penal por exercício ilegal da medicina. Acabou sendo arquivado e prescrito, por que o juiz queria pronunciar o caridoso Barsanulfo. Foi grande o delírio e entusiasmo que o povo de Sacramento realizou a nove de maio de 1918. Trabalhador esforçado foi um dos maiores espíritas do estado de Minas Gerais. No dia 1º de novembro de 1918, falecia em sua cidade natal, vítima de pandemia de gripe. O povo, em peso, chorando, acompanhou os despojos mortais ao cemitério. “Cognominado O “Apóstolo do Triangulo Mineiro” sobre ele assim se externou a “Lavoura e Comércio de Uberaba:” Foi o apóstolo do Bem: ao seu lado nenhuma lágrima ficou sem consolo e, sem bálsamo, dor nenhuma”. “O Borá”, folha que se publicava em Sacramento, deu, em seu número de 17 de novembro de 1918, excelente notícia sobre a personalidade do respeitado e benemérito sacramentano. Em 1929, 1º de maio, os espíritas de Sacramento faziam inaugurar, no jardim do colégio “Allan Kardec”, uma herma em memória do grande benfeitor Eurípides Barsanulfo, tendo o juiz de Direito da Comarca de Sacramento, Dr. Francisco Cândido da Gama Júnior, proferido, na ocasião, como orador oficial da festa, um belo e emocionante discurso.
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 17:07

LINK DO POST | COMENTAR | favorito
|

.MAIS SOBRE MIM

.PESQUISAR NESTE BLOG

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27

.POSTS RECENTES

. FÉ RACIOCINADA

. COISAS TERRÍVEIS E INGÊNU...

. CAIM FUNDOU UMA CIDADE SE...

. OS HERÓIS DA ERA NOVA

. CONFLITOS E PERFEIÇOAMENT...

. GRATIDÃO: UM NOVO OLHAR S...

. PERDÃO DE DEUS

. A FÉ: MÃE DA ESPERANÇA E ...

. NO CRISTIANISMO RENASCENT...

. EM PAUTA – A TRISTE FESTA

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds