Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010

A SABEDORIA POPULAR

Mantida a ortografia original.


“A morte é um descanço”, ouvi algures dizer uma santa e preta velhinha a outra não menos idosa, mas com tal entonação que, parecia, estava de joelhos diante do Creador.
Ouvi, e logo passou-me pelo espirito a dissertação profunda que eu vinha de ouvir no Centro, sobre a fé na vida futura e suas bellezas, por um dos mais ilustres amigos, do espaço invisivel, que ali nos têm falado.
Passou-me pelo espirito todo aquelle ensinamento superior, divino, de divino mestre, porque, por vezes muitos tocara elle com arrebatadora eloquencia, eloquencia que lembrava Jesus no sermão da montanha, na superioridade, no contentamento da alma que parte — quando vibram sobre ella as leis naturaes para se operar esse phenomeno ainda em parte inescrutavel, que se chama morte — as correntes, os grilhões pesados da materia que o espirito considera o tumulo de suas faculdades, de seu poder, de sua liberdade.
E pensava: mal sabe essa velhinha — alma talvez bem proxima das regiões angelicas — que acaba de proferir uma das mais profundas sentenças da sabedoria popular, uma verdade que é para ella como Deus é para a humanidade terrena: pode ser sentido mas não pode ser visto. E’ uma verdade que ella sente, mas não pode ver, isto é, não pode definir.
A morte é realmente um descanço, mais que isto: é a volta do espirito ao seio da liberdade perdida, á patria verdadeira de seu nascimento: é o termo d’uma missão que, ao ser escolhida, lhe fazia tremer, e por vezes pedir ao Pae eterno coragem pala a lucta, impassibilidade para a tentação, resignação para a dor ....
Quando a morte golpêa, deixa cahido um cadaver, que ha ainda quem adore — os ciosos da materia podre — libertando um espirito que surge victorioso e contente no seio do espaço infinito, a contemplar as multiplas phases do sua vida gravada na face granitica dos seculos; a estrada immensa através do tempo es tendida, por elle percorrida, sob e imperio de leis regulares e eternas que athestam a grandeza do Creador, do Pae eterno, da sabedoria infinita; quando essa lei, immutavel como todas as leis divinas, se faz sentir, para fazer cahir por terra um pouco de materia que vai “continuar a sua elaboração em transformações naturaes” e dar liberdade a uma alma “esse poder eterno que se agita independente do tempo e do espaço e que vôa a confundir-se com perfeições mais altas, com conhecimentos mais vastos e maiores virtudes”.
E’ grande, é profunda e incontestavelmente divina a philosophia que diz mais pela boca do humilde e cio que soffre: a morte é um descanço!
Quantos, orgulhosos do que pensam valer, orgulhosos do seu saber e do seu ouro, riem d’esta expressão, mórmente quando ella sai da boca dos pobres de espirito de que falou Jesus!
Vaidade humana! cegueira que só a luz do além-tumulo extingue!
Riem na plenitude da vida material, que julgam grande coisa, mas choram e sentem-se profundamente desgraçados quando a morte se aproxima!
Aqueles, os escarnecidos, abrem-lhe os braços com a alma superior e lucida, porque vão fazer, com as azas de sua fé na grande sentença que apenas sentem, na grandeza de tudo que ella envolve, o vôo que, humildes creem, parte do logar onde cai o corpo para o seio do bem, onde sómente impera o descanço, que, tomado em espirito como deve ser pela philosophia espirita, quer dizer: a paz, o amor, a fraternidade, a confiança, a caridade, a vida em summna, em sua mais perfeita manifestação.
A morte é o derrocamento do carcere da alma; é o anniquilamento d’esse corpo pesado que acorrenta brutalmente o espirito e o expõe ás ondas encapelladas das angustias, a todos os soffrimentos que o alanceiam.
Se os que temem a morte, os que sobre os cadaveres choram pelos que se foram e vestem luto, deixas sem as religiões de conveniencias e estudassem a maior philosophia dos tempos, o Espiritismo, não se entregariam a esses desesperos que por ahi se veem, com a morte, isto é, com a libertação d’um parente ou d’um amigo; desesperos que são blasphemias, gritos de revolta e de odio contra Deus, que com infinita perfeição, com sabedoria infinita tudo faz e dirige.
Saberiam que a alma, que deixa o corpo material, parte em busca da vida que só pela necessidade de penetrar os céos, um dia, d’ella se afastara.
Um cadaver não é mais que um tumulo vasio; d’este, a materia que o enchia, decomposta, sahiu para novos corpos; d’aquelle, o espirito que lhe era a vida, libertado, partiu para novos mundos.
lnhumnar um cadaver é metter um tumulo menor dentro de outro maior.
Isso não tem importancia. Busque­mos o que já hoje tão fortemente nos fere os sentidos, d’alem d’esses dois montões de materia em diferentes modalidades.
A morte é um dos phenomenos do universo, que só tem importancia do ponto de vista moral, por causa do immenso bem que d’ella resulta para a alma; sob o ponto de vista material nenhuma importancia tem.
Diz-nos a grande philosophia do Divino Mestre, a philosophia que tem resistido á acção dos vendavaes fortissimos desencadeados, da passagem violenta e destruidora dos seculos: “morrer é desviar a visão do nervo optico que transmitte a imagem; é romper o pensamento através do craneo que o encerra; é eliminar a vontade do musculo que lhe obedece; é despojar a memoria das densas brumas da materia; é dar amplitude á materia sujeita a ondulações limitadas; é finalmente emancipar-se a alma da escravidão d’uma organização por natureza fatal.”
Chorar sobre cadaveres é dar o mais vivo attestado da falta de fé na sabedoria infinita do Creador; é pro var até sentir o vacuo da incerteza de sua existencia.
Só o atheu, se é que ha quem seja atheu (eu não creio), tem razão de chorar a morte dos seus queridos, e de ter pavor da morte.
Deus existe e é Pae amoroso e perfeito. Nada Elle fez que não seja para inteiro bem de sua creatura; portanto, a morte é um bem e como tal deve sempre ser causa de satisfação e de festa, e nunca de choro e de luto.
Diz um grande philosopho: “Não fomos creados para a terra, onde não nada ha fixo nem determinado; onde tudo é transitorio e fugitivo; onde todas as esperanças se frustram e os desejos mentem ; onde nada ha que satisfaça a melhor porção de nosso ser; onde o tempo nos constrange e a necessidade nos tyranniza; onde em vãos esforços nos debatemos; onde, finalmente, ha um acabar que não pode ser nosso destino.”
De facto; nós fomos creados para o descanço de que fala a grande maxima; fomos creados para o amor, para as venturas sem termo, 1ara a felicidade suprema, para as grandezas reaes do universo.
Diante de tal perspectiva, é licito a quem crê em Deus temer a morte e lamentar quem morre? Não; é, pelo contrario, unia blasphemia; é a re volta da creatura, que só humilde e crente deve ser, contra seu Creador misericordioso e perfeito!...
Ahi está como a velhinha humilde dizia uma grande verdade; verdade que dizem todos os espiritos de boa vontade, como o proprio Deus.
O espirito tem tanto mais prazer e mais descanço quanto mais liberdade tem e mais trabalha. Comprehende- se, portanto, que o espirito na carne, como está provado, não tendo liberdade nem podendo trabalhar como deseja, “a morte é um descanço.”

Reformador, 15 de abril, 1911
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 17:09

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

FÉ RACIOCINADA

 

 

 

“A fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.” (1)

 

Em torno da fé existem inúmeras afirmativas negando-lhe o caráter racional. Segundo alguns teólogos, raciocina-se sobre a crença, mas não sobre a fé. A fé, segundo eles, é uma virtude, um dom que transcende a própria razão.

 

Por colocarem-na como virtude ou dom transcendental, pertencente exclusivamente à área do sentimento, é que muitas pessoas confundem emoção com fé. Por isso, é comum pessoas dizerem ter sentido uma fé imensa, capaz de levá-las a grandes realizações, no momento em que ouviam o relato de passagens do Evangelho, ou de ações levadas a efeito por benfeitores da Humanidade, ou até mesmo em decorrência da simples leitura de uma página edificante. A emoção, a vibração espiritual que os atos nobres suscitam nas almas já portadoras de alguma sensibilidade não pode ser confundida com fé. O estado emocional é transitório, enquanto a fé é permanente. A emoção, se analisada e orientada pela inteligência, pode ser auxiliar valiosa para levar a criatura a modificar-se para melhor. Entretanto, se não for esclarecida pela razão pode conduzir ao fanatismo, à chamada fé cega, que é a negação da própria fé.

 

O mundo está cheio de exemplos tristes dos frutos do fanatismo religioso. Em nome da fé, quantas perseguições, quantas mortes e até guerras? Ainda nos dias atuais, principalmente na semana santa, existem pessoas que vertem seu próprio sangue, ferindo seus corpos, ou se entregam a privações terríveis no intuito de mostrar sua fé em Deus. Se raciocinassem, veriam que Deus, como Pai amoroso, bom e misericordioso, nunca poderia ser homenageado com o derramamento do sangue dos Seus filhos. Essa concepção de um deus sanguinário, combateu-a o Profeta Elias, oito séculos antes de Jesus, quando enfrentou os sacerdotes adoradores do deus Baal. (I Reis, 18: 22 a 40).

 

Aprende-se no Espiritismo que, na sua caminhada evolutiva, o Espírito vai conhecendo as leis de Deus, vai percebendo-lhes a perfeição e, quanto mais as conhece, mais se identifica com elas, mais confia na justiça e no amor do Criador, mais se conscientiza da Sua perfeição, mais tem fé. Essa a fé que nasce do entendimento. Inabalável, indestrutível.

           

Emmanuel ensina: “Ter fé é guardar no coração a luminosa certeza em Deus, certeza que ultrapassou o âmbito da crença religiosa, fazendo o coração repousar numa energia constante de realização divina da personalidade. Conseguir a fé é alcançar a possibilidade de não mais dizer eu creio, mas afirmar eu sei, com todos os valores da razão, tocados pela luz do sentimento.” (2).

 

A fé que o Espiritismo preconiza não é uma fé contemplativa, capaz de levar uma pessoa à imobilidade, em situações de êxtase, em que fica aguardando providências de Deus em seu favor. Ao contrário, é uma fé dinâmica, edificada vagarosa e conscientemente pelo Espírito, à medida que evolui, conforme ensina Emmanuel: “A árvore da fé viva não cresce no coração miraculosamente. A conquista da crença edificante não é serviço de menor esforço. A maioria das pessoas admite que a fé constitua milagrosa auréola doada a alguns espíritos privilegiados pelo favor divino.” (3)

           

A fé espírita não é aquela que se fixa em objetos materiais como cruzes, escapulários, bentinhos, talismãs, amuletos, medalhas, etc. O espírita tem fé em Deus, em Jesus, nos bons Espíritos, entidades dotadas de sentimento e de inteligência, seres capazes de movimentar recursos em seu favor. Essa fé é muito diferente da crença infantil num pretenso poder mágico de objetos materiais, que não poderiam jamais movimentar, com inteligência e sentimento, recursos a benefício de alguém.

 

Entretanto, é lícito se indague sobre a origem da fé raciocinada. Teria ela nascido com o Espiritismo? Não, a fé raciocinada nos vem de Jesus, dos ensinamentos do seu Evangelho. O Mestre mudou completamente o próprio conceito de religião, introduzindo no campo até então puramente emocional da fé, o componente razão, entendimento. Ninguém, até Jesus, fez tantos apelos ao raciocínio no âmbito religioso. Kardec, conhecedor profundo da atuação de Jesus, o conhecia, não como um místico, mas como um educador de almas que, ao tempo em que tocava o sentimento daqueles que o ouviam, sabia também levá-los ao entendimento das lições.. Por isso, tem a Doutrina Espírita essa característica de racionalidade. E não podia ser de outra forma, de vez que ao Espiritismo coube o papel de reviver o Cristianismo na sua pureza, simplicidade e pujança originais

 

Jesus nunca explorou a emoção de ninguém. Sua fala, mansa e humilde, precisa e firme, era dirigida ao sentimento e à inteligência. Suas lições foram sempre pautadas no diálogo, através do qual propunha o exame racional daquilo que ensinava.

 

Censurado por haver curado uma mulher paralítica num sábado, bem poderia deixar que a própria cura falasse por ele, mas não perdeu a oportunidade de, através de uma pergunta, fazer pensar aqueles que o ouviam: “(...) no sábado não desprende da manjedoura cada um de vós o seu boi, ou o jumento, e não o leva a beber? E não convinha soltar desta prisão, no dia de sábado, esta filha de Abraão, a qual há dezoito anos Satanás a tinha presa?” (Lc, 13: 15 e 16).

 

De outra feita, ele próprio perguntou aos doutores da lei, antes de curar um homem: “É lícito curar no sábado?” (Lc, 14: 3). Como não respondessem, Jesus curou o hidrópico e o despediu. Depois, ele volta a inquiri-los, a fim de conscientizá-los de que acima da letra morta há uma interpretação racional, inteligente: “Qual de vós o que, caindo-lhe num poço, em dia de sábado, o jumento ou o boi, o não tire logo?”(Lc, 14: 5).

 

“E orando, não useis de vãs repetições...” (Mt, 6: 7). Quer o Mestre dizer que devemos orar com plena consciência daquilo que falamos, que a nossa oração não seja uma repetição emocional de uma fórmula decorada, como se fosse algo recitado ou declamado. Ao contrário, que seja uma mensagem conscientemente elaborada, com um conteúdo de comunicação dirigida ao Alto, e que não seja uma simples ladainha.

 

Jesus, ao conversar com a samaritana, à beira do poço de Jacó, demonstra que não necessitava de inquirir alguém para informar-se de algo. Ali deixa claro para ela que conhecia-lhe o passado como a palma de sua mão. (Jo, 4: 17). Entretanto, freqüentemente fazia perguntas para suscitar dúvida no seu interlocutor, a fim de fazê-lo pensar, raciocinar e não receber passivamente um ensinamento: “Qual é mais fácil? Dizer: Os teus pecados te são perdoados; ou dizer: Levanta-te e anda?” (Lc, 5: 23).

 

Ao invés de fazer um discurso eloqüente e emocionado sobre a Providência Divina, o Mestre busca, através de perguntas, levar seus ouvintes a pensarem, a raciocinarem sobre Deus. Depois de lhes ter falado sobre os lírios do campo, dizendo que Deus os veste, e compara sua vestimenta ao luxo do rei Salomão: “Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pouca fé?” (Mt, 6: 30).

 

“E qual de vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra? E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhos pedirem?” (Mt, 7: 9 a 11). Também por essa passagem pode-se ver que Jesus não buscava levar ninguém a uma adoração emotiva, a uma fé cega. Ele poderia ter dito, por exemplo que se deve ter fé em Deus, criador de tudo o que existe, que é bom, amoroso, misericordioso, providente etc. Mas não, só isso não bastava. Se ficasse só nessas afirmações, teria suscitado uma fé passiva. Ele queria fazer as criaturas entenderem, através de uma comparação, que o Todo Poderoso deveria ser, necessariamente, melhor que um pai terreno e, portanto, capaz de dar maiores bens aos Seus filhos.

 

Os apelos que Jesus, nas suas lições, fazia não só ao sentimento, mas também à inteligência, foi objeto de estudo até mesmo fora do ambiente religioso, por um médico psiquiatra, Augusto Jorge Cury, quando diz: “... ele não anulava arte de pensar, ao contrário, era um mestre intrigante nessa arte. Cristo não discorria sobre uma fé sem inteligência. Para ele, primeiro se deveria exercer a capacidade de pensar e refletir antes de crer, depois vinha o crer sem duvidar. Se estudarmos os quatro evangelhos e investigarmos a maneira como Cristo regia e expressava seus pensamentos, constataremos que pensar com liberdade e consciência era uma obra-prima para ele.” (4)

 

O trecho do Novo Testamento que mais evidencia o ambiente pedagógico, de diálogo, de liberdade de análise, na busca de esclarecimentos, que Jesus propiciava a todos que ouviam-lhe as lições é, certamente, o assim chamado “A Transfiguração”. Registra Mateus, no capítulo 17, que Jesus subiu a um alto monte, acompanhado de Pedro, Tiago e João. O Mestre orou e se transfigurou, cobrindo-se de luz, ao tempo em que apareceram – seguramente materializados, pois que os três discípulos os viram – Moisés e Elias, que conversaram com ele. Passado o momento sublime, ao regressarem, o Mestre ordena aos discípulos que não contem nada do que acontecera até ele ressuscitasse. É de se imaginar o contentamento e a emoção que devem ter sentido aqueles discípulos ao contemplarem Jesus coberto de luz, Moisés, o pai dos profetas, e o grande profeta Elias. Entretanto, eles não se detiveram em atitude de contemplação mística, de deslumbramento. Pelo contrário, o raciocínio funcionou imediatamente, na busca de resposta para algo que lhes pareceu estranho: “E os discípulos o interrogaram, dizendo: Por que dizem então os escribas que é mister que Elias venha primeiro?” (Mt, 17: 10). Por que a pergunta? Ora, havia sido predito pelos profetas – e os escribas sempre o repetiam – que o Mestre seria precedido por Elias, que voltaria para preparar-lhe o caminho. Os discípulos, vendo Elias desencarnado, deduziram que algo estava errado: ou as profecias não espelhavam a verdade, ou aquele que se apresentara e conversara com Jesus não era Elias, ou Jesus não era o Messias! Jesus, com a tranqüilidade daqueles que detêm a verdade, respondendo, disse-lhes: “Mas digo-vos que Elias já veio, e não o conheceram, mas fizeram-lhe o que quiseram. Assim farão eles também padecer o Filho do homem.” (Mt, 17: 12). E, em seguida, conclui o Evangelista: “Então entenderam os discípulos que lhes falara de João Batista.” (Mt, 17: 13). Tudo estava certo. A profecia já se havia cumprido.

 

Diante do que se acabou de ver, conclui-se que Jesus foi um pedagogo e não um místico. Sabia atrair seus ouvintes com as doces consolações da fé, mas não alimentava atitudes de deslumbramento contemplativo, face aos apelos ao raciocínio com que mesclava suas sublimes lições. Encaminhava-os ao entendimento lógico, racional dos fatos! Jesus, como Mestre admirável que foi, soube criar um clima de diálogo aberto. Foi essa liberdade que levou os discípulos a buscarem imediatamente esclarecimento sobre a aparição de Elias, embora a pergunta formulada por eles contivesse embutido um grave questionamento, qual seja o da própria condição de Messias do seu Mestre. Jesus não se sente agastado e, com a segurança daqueles que estão com a Verdade, os esclarece. Assim, vê-se claramente que Jesus não impunha suas idéias, não violentava consciências, nem exigia fé cega, sem exame. Não. Sua mensagem sempre foi dirigida ao intelecto e ao sentimento, bases legítimas da fé raciocinada, que o Espiritismo veio reviver.  

 

 

1. O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. 9, item 7

2. O Consolador, perg. 354

3. Caminho, Verdade e Vida, cap. 40

4. Análise da Inteligência de Cristo, pág. 18

5. Bíblia Sagrada, trad. João Ferreira d'Almeida (todas as citações)

 

PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 00:26

LINK DO POST | COMENTAR | favorito
Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

RESPOSTAS AOS DETRATORES INCOMODADOS

 

Pretendo não responder a debates, questionamento que não tem substancia, o meu único caminho é divulgar a Doutrina Espírita, quem se sentir incomodado, me perdoe, não leia, meus artigos nos meus blogs.
 
A DOUTRINA ESPÍRITA vem-nos abrir os olhos e ouvidos, porque fala-nos tudo clara e logicamente.
Levanta-nos o véu que há sobre certos mistérios.
Consola a todos aqueles que sofrem, dando-lhes uma causa justa em relação aquilo que estão passando no momento.
Se Jesus não falou tudo que teria para dizer, é que acreditava dever deixar certas verdades na sombra até que os homens estivessem prontos para compreendê-las.
Isto fica-nos claro, na seguinte passagem bíblica, a qual se encontra logo a seguir, e que está no Evangelho de João:
“Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora”. (Jo 16,12).
 
Todos os dias as pessoas se indagam acerca da crise existencial
chamada morte, doença, guerra, lutas, provações, enfim a
miserabilidade do homem.
A Doutrina dos Espíritos, nesta linguagem franca, aberta,
trabalha as questões tidas, havidas, sofridas e existenciadas
pelo homem.
É a que tem as respostas para os questionamentos humanos.
E  talvez você já tenha feito perguntas como estas:
De onde eu vim ao nascer?
Para onde irei depois da morte?
O que há depois dela?
Por que uns sofrem mais do que os outros?
Por que uns tem determinada aptidão e outros não?
Por que alguns nascem ricos e outros pobres?
Alguns cegos, aleijados, débeis mentais, enquanto outros nascem inteligentes e saudáveis?
Por que Deus permite tamanha desigualdade entre seus filhos?
Por que uns, que são maus, sofrem menos que os outros que são bons?
 
Fraternalmente
Sérgio Ribeiro
Rio de Janeiro/Brasil
 
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 15:17

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

SINTOMAS DE MEDIUNIDADE

A mediunidade é faculdade inerente a todos os seres humanos, que um dia se apresentará ostensiva mais do que ocorre no presente momento histórico.
À medida que se aprimoram os sentidos sensoriais, favorecendo com mais amplo cabedal de apreensão do mundo objetivo, amplia-se a embrionária percepção extrafísica, ensejando o surgimento natural da mediunidade.
Não poucas vezes, é detectada por características especiais que podem ser confundidas com síndromes de algumas psicopatologias que, no passado, eram utilizadas para combater a sua existência.
Não obstante, graças aos notáveis esforços e estudos de Allan Kardec, bem como de uma plêiade de investigadores dos fenômenos paranormais, a mediunidade vem podendo ser observada e perfeitamente aceita com respeito, face aos abençoados contributos que faculta ao pensamento e ao comportamento moral, social e espiritual das criaturas.
Sutis ou vigorosos, alguns desses sintomas permanecem em determinadas ocasiões gerando mal-estar e dissabor, inquietação e transtorno depressivo, enquanto que, em outros momentos, surgem em forma de exaltação da personalidade, sensações desagradáveis no organismo, ou antipatias injustificáveis, animosidades mal disfarçadas, decorrência da assistência espiritual de que se é objeto.
Muitas enfermidades de diagnose difícil, pela variedade da sintomatologia, têm suas raízes em distúrbios da mediunidade de prova, isto é, aquela que se manifesta com a finalidade de convidar o Espírito a resgates aflitivos de comportamentos perversos ou doentios mantidos em existências passadas. Por exemplo, na área física: dores no corpo, sem causa orgânica; cefalalgia periódica, sem razão biológica; problemas do sono - insônia, pesadelos, pavores noturnos com sudorese -; taquicardias, sem motivo justo; colapso periférico sem nenhuma disfunção circulatória, constituindo todos eles ou apenas alguns, perturbações defluentes de mediunidade em surgimento e com sintonia desequilibrada. No comportamento psicológico, ainda apresentam-se: ansiedade, fobias variadas, perturbações emocionais, inquietação íntima, pessimismo, desconfianças generalizadas, sensações de presenças imateriais - sombras e vultos, vozes e toques - que surgem inesperadamente, tanto quanto desaparecem sem qualquer medicação, representando distúrbios mediúnicos inconscientes, que decorrem da captação de ondas mentais e vibrações que sincronizam com o perispírito do enfermo, procedentes de Entidades sofredoras ou vingadoras, atraídas pela necessidade de refazimento dos conflitos em que ambos - encarnado e desencarnado - se viram envolvidos.
Esses sintomas, geralmente pertencentes ao capítulo das obsessões simples, revelam presença de faculdade mediúnica em desdobramento, requerendo os cuidados pertinentes à sua educação e prática.
Nem todos os indivíduos, no entanto, que se apresentam com sintomas de tal porte, necessitam de exercer a faculdade de que são portadores. Após a conveniente terapia que é ensejada pelo estudo do Espiritismo e pela transformação moral do paciente, que se fazem indispensáveis ao equilíbrio pessoal, recuperam a harmonia física, emocional e psíquica, prosseguindo, no entanto, com outra visão da vida e diferente comportamento, para que não lhe aconteça nada pior, conforme elucidava Jesus após o atendimento e a recuperação daqueles que O buscavam e tinham o quadro de sofrimentos revertido.
Grande número, porém, de portadores de mediunidade, tem compromisso com a tarefa específica, que lhe exige conhecimento, exercício, abnegação, sentimento de amor e caridade, a fim de atrair os Espíritos Nobres, que se encarregarão de auxiliar a cada um na desincumbência do mister iluminativo.
Trabalhadores da última hora, novos profetas, transformando-se nos modernos obreiros do Senhor, estão comprometidos com o programa espiritual da modificação pessoal, assim como da sociedade, com vistas à Era do Espírito imortal que já se encontra com os seus alicerces fincados na consciência terrestre.
Quando, porém, os distúrbios permanecerem durante o tratamento espiritual, convém que seja levada em conta a psicoterapia consciente, através de especialistas próprios, com o fim de auxiliar o paciente-médium a realizar o autodescobrimento, liberando-se de conflitos e complexos perturbadores, que são decorrentes das experiências infelizes de ontem como de hoje.
O esforço pelo aprimoramento interior aliado à prática do bem, abre os espaços mentais à renovação psíquica, que se enriquece de valores otimistas e positivos que se encontram no bojo do Espiritismo, favorecendo a criatura humana com alegria de viver e de servir, ao tempo que a mesma adquire segurança pessoal e confiança irrestrita em Deus, avançando sem qualquer impedimento no rumo da própria harmonia.
Naturalmente, enquanto se está encarnado, o processo de crescimento espiritual ocorre por meio dos fatores que constituem a argamassa celular, sempre passível de enfermidades, de desconsertos, de problemas que fazem parte da psicosfera terrestre, face à condição evolutiva de cada qual.
A mediunidade, porém, exercida nobremente se torna uma bandeira cristã e humanitária, conduzindo mentes e corações ao porto de segurança e de paz.
A mediunidade, portanto, não é um transtorno do organismo. O seu desconhecimento, a falta de atendimento aos seus impositivos, geram distúrbios que podem ser evitados ou, quando se apresentam, receberem a conveniente orientação para que sejam corrigidos.
Tratando-se de uma faculdade que permite o intercâmbio entre os dois mundos - o físico e o espiritual - proporciona a captação de energias cujo teor vibratório corresponde à qualidade moral daqueles que as emitem, assim como daqueloutros que as captam e as transformam em mensagens significativas.
Nesse capítulo, não poucas enfermidades se originam desse intercâmbio, quando procedem as vibrações de Entidades doentias ou perversas, que perturbam o sistema nervoso dos médiuns incipientes, produzindo distúrbios no sistema glandular e até mesmo afetando o imunológico, facultando campo para a instalação de bactérias e vírus destrutivos.
A correta educação das forças mediúnicas proporciona equilíbrio emocional e fisiológico, ensejando saúde integral ao seu portador.
É óbvio que não impedirá a manifestação dos fenômenos decorrentes da Lei de Causa e Efeito, de que necessita o Espírito no seu processo evolutivo, mas facultará a tranqüila condução dos mesmos sem danos para a existência, que prosseguirá em clima de harmonia e saudável, embora os acontecimentos impostos pela necessidade da evolução pessoal.
Cuidadosamente atendida, a mediunidade proporciona bem-estar físico e emocional, contribuindo para maior captação de energias revigorantes, que alçam a mente a regiões felizes e nobres, de onde se podem haurir conhecimentos e sentimentos inabituais, que aformoseiam o Espírito e o enriquecem de beleza e de paz.
Superados, portanto, os sintomas de apresentação da mediunidade, surgem as responsabilidades diante dos novos deveres que irão constituir o clima psíquico ditoso do indivíduo que, compreendendo a magnitude da ocorrência, crescerá interiormente no rumo do Bem e de Deus.

Manoel Philomeno de Miranda
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 14:50

LINK DO POST | COMENTAR | ver comentários (1) | favorito

PREEXISTÊNCIA DO ESPÍRITO

 

Têm-se desenvolvido, desde muito tempo, a idéia que o homem só tem uma vida, quer dizer, só vive apenas uma vez. Não sabemos quando e como isso se iniciou, presumimos que seja por causa da narrativa bíblica sobre a criação do homem, onde se diz que Deus após ter modelado o barro dá a ele o sopro vital.

Até a pouco tempo atrás se pensava que o Espírito era ligado ao corpo das crianças no exato momento em que o recém-nascido "via" a luz, quando saia do ventre materno. Via está entre aspas, pois na verdade não via nada, pois nascia de olhos fechados, diferente das crianças de hoje que já nascem de olhos abertos. Ninguém se preocupava com a existência do espírito antes disso.

Mantendo essa visão, ou seja, de aceitarmos que o espírito é ligado ao corpo no momento do nascimento, devemos convir que Deus estaria se subordinando aos homens para a criação de Espíritos, pois somente após o clímax de se cumprir a vontade de um casal de ter filhos, é que Deus poderia entrar com a criação do Espírito.

O homem moderno, avançando em sua percepção da realidade espiritual, está conseguindo perceber um pouco mais além do que os seus antepassados. Nos consultórios médicos, especialmente os ginecológicos, as gestantes são instruídas pelo seu facultativo a conversarem com os fetos muito antes do dia em que eles irão ver a luz. No início mesmo da gestação já é passada essa orientação. Isso tem contribuído sobremaneira para que os espíritos, em vias de reencarnarem, sintam-se amados e desejados, o que promove uma vida de relacionamento familiar mais harmonioso, notadamente entre pais e filhos.

Entretanto, ainda não se conseguiu desvendar o grande "mistério" de que, muito antes da concepção, o espírito já existia. Estamos falando da preexistência do Espírito, aceita por muitas filosofias religiosas, mas ainda não incorporada às religiões cristãs tradicionais. Sabemos que as mudanças não são fáceis, pois deixar valores antigos para absorver novos não é coisa tão fácil assim, já que sempre nos agarramos às nossas convicções anteriores, pouco nos importando se são verdadeiras ou não.

Podemos notar isso nos obstinados fariseus, que ficavam perplexos, diante dos ensinamentos de Jesus, mas não abriam mão em seguir a Moisés, até que, num dado momento, o Mestre desmascarando-os diz: "Não se coloca remendo de pano novo em pano velho, nem vinho novo em odres velhos" (Mateus 9, 16-17).

Mas, por incrível que pareça, encontramos a percepção da preexistência até no Antigo Testamento, escrito a aproximadamente mil e novecentos anos atrás. Como exemplo, vejamos as seguintes passagens, onde claro fica essa questão:

1) Tobias 6, 18: Antes de se unir a ela, levantem-se os dois e rezem, pedindo ao Senhor do céu que tenha misericórdia e proteja vocês. Não tenha medo. Ela foi destinada a você desde a eternidade, e você é quem vai salvá-la.

Se a moça foi destinada a Tobias deste a eternidade, é porque ambos existiam desde a eternidade. Por eternidade devemos entender um tempo muito longo, sem que saibamos precisar a sua duração certa, já que de toda a eternidade somente existe Deus.

2) Salmos 51, 7: Eis que eu nasci na culpa, e minha mãe já me concebeu pecador.

Como alguém pode nascer pecador se não teve uma vida anterior onde teria pecado? Não venham com essa ridícula afirmação de que nascemos em pecado original. Temos dito que realmente ele é muito original só isso, mas não se coaduna com a justiça divina, até mesmo porque também está escrito: "O filho nunca será responsável pelo pecado do pai, nem o pai será culpado pelo pecado do filho" (Ez 18, 20, ver tb Dt 24, 16).

3) Sabedoria 8, 19: Eu era um jovem de boas qualidades e tive a sorte de ter uma boa alma, ou melhor, sendo bom, vim a um corpo sem mancha.

Aqui, além de estar bastante evidente a preexistência da alma, ainda encontramos a questão do carma. Carma? Isso mesmo, já que o jovem veio num corpo sem mancha porque era um espírito bom (boa alma). E para quem se apressar em dizer que na Bíblia não existe esse pensamento, acrescentamos: "Se alguém ferir o seu próximo, deverá ser feito para ele aquilo que ele fez para o outro: fratura por fratura, olho por olho, dente por dente. A pessoa sofrerá o mesmo dano que tiver causado a outro" (Lv 24, 20). Algumas vezes Jesus diz, ainda que possamos entender como veladamente, sobre o carma, quando fala "a cada um segundo suas obras" (Mt 16, 27), outras, mais preciso de modo a não deixar dúvida, quando afirma a um homem, que esteve doente por 38 anos, ao encontrá-lo no templo: "Você ficou curado. Não peque de novo, para que não lhe aconteça alguma coisa pior" (Jo 5, 14). Para não ficar só nisso, vamos encontrar Paulo dizendo: "cada um colherá aquilo que tiver semeado", claramente está afirmando essa lei divina inexorável que faz com que soframos o mesmo mal que fizermos os outros sofrerem.

4) Jeremias 1, 4-5: Recebi a palavra de Javé que me dizia: "Antes de formar você no ventre de sua mãe, eu o conheci; antes que você fosse dado à luz eu o consagrei, para fazer de você profeta das nações".

Se antes de formar no ventre da mãe Deus já o conhecia, é porque, não tenhamos dúvida, que ele existia como Espírito antes do seu corpo ser formado.

Vejamos o que diz o teólogo e escritor José Reis Chaves, em "A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência", a respeito de Orígenes, considerado um dos pais da Igreja Católica:

Em 543, Justiniano publicou um édito, em que expunha e condenava as principais idéias de Orígenes, sendo uma delas a da preexistência.

Em seguida à publicação do citado édito, Justiniano determinou ao patriarca Menos de Constantinopla que convocasse um sínodo, convidando os bispos para que votassem em seu édito, condenando dez anátemas dele constantes e atribuídos a Orígenes.

A principal cláusula ou anátema que nos interessa é a da condenação da preexistência que, em síntese, é a seguinte: "Quem sustentar mítica crença na preexistência da alma e a opinião, conseqüentemente estranha, de sua volta, seja anátema".

Então, podemos ver, que a questão da preexistência da alma foi abolida por decreto, que, apesar de sua evidência bíblica, ainda teve o beneplácito dos bispos católicos. São os que sempre se consideram os "donos da verdade" é que buscam de todas as formas combater tudo que não vai ao encontro de suas próprias idéias, pouco importando se estão com a razão ou não. O tempo e o progresso inevitável do ser humano, que cada vez mais se torna exigente na questão da razão e lógica, deverá fazer com que essa verdade seja restabelecida, mesmo que isso vá contrariar a uns e outros.

 

Bibliografia: "A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência", José Reis Chaves, Ed. Martin Claret, 5ª edição e "Bíblia Sagrada", Edição Pastoral, Paulus, 43ª edição, 2001.

PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 00:16

LINK DO POST | COMENTAR | favorito
Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2010

QUEM ENTRARÁ NO REINO DO CÉU???

 

A teologia dogmática, baseando-se em interpretações equivocadas ou, algumas vezes, na opinião dos próprios autores bíblicos, sustenta que Jesus morreu na cruz para nos salvar. Entretanto, a verdade é bem diferente, pois foram os chefes dos sacerdotes e os doutores da Lei, que o levaram a essa morte ignominiosa. Talvez eles mesmos, para se safarem de serem incriminados, espalharam que Jesus teria morrido para nos salvar.

Esses líderes religiosos fizeram de tudo para indispô-lo contra as autoridades constituídas. Estavam sempre à procura de alguma situação para que pudessem realizar esse desejo. Jesus mesmo lhes conhecendo as intenções, não os apontava como os que o levariam à morte, quando nos colóquios íntimos com seus discípulos.

A oportunidade enfim chegou, quando Judas, talvez, segundo dizem algumas pessoas, pensando que Jesus fosse o Messias que libertaria os hebreus do jugo dos romanos, combina com essas aves de rapina a entrega do seu Mestre, achando que, com isso, se desencadearia uma revolução, liderada por Jesus com o apoio do povo o que resultaria no fim dessa situação de submissão.

Além de subornarem Judas, ainda procuram encontrar um falso testemunho contra Jesus para o condenarem à morte. E na opção entre Barrabás e Jesus, incentivaram o povo a pedir pela liberdade do criminoso e pela crucificação do inocente, conforme nos contam os evangelistas.

Não bastasse tudo isso, ainda juntaram-se ao povo que zombava do Mestre, quando se encontrava em plena agonia pregado à cruz.

E por fim, subornam os guardas que se encontravam junto ao túmulo, para dizerem que os discípulos haviam roubado o corpo de Jesus, já que não admitiam que ele houvesse ressuscitado.

Mas o que mais choca é que, de certa forma, vemos isso nos dias de hoje, quando a liderança religiosa de nossos dias (seria ela a de outrora reencarnada?), usa de todos os expedientes para combater o Espiritismo. Não poderemos deixar de salientar que essa liderança, numa interpretação de conveniência, deturpou os ensinamentos de Jesus, para manter sob seu domínio os fiéis temerosos, que ficam sob constantes ameaças de caírem nas garras de satanás, que os levariam para o inferno, onde no “lago de fogo” ficariam pelo resto da eternidade.

Ensinamentos que não se coadunam com um Pai misericordioso, o que nos apresentou Jesus, Aquele que “quer que todos sejam salvos” (1Tm 2,4). E mais convictos ficamos de que todos nós seremos salvos, pela seguinte passagem: “... Os chefes dos sacerdotes e os anciãos do povo... Jesus lhes disse: ‘Pois eu garanto a vocês: os cobradores de impostos e as prostitutas vão entrar antes de vocês no Reino do Céu’”. (Mt 21,31).

Observar bem essa frase de Jesus. Ele sabia, desde o princípio, que os sacertodes-chefes e os anciãos do povo o levariam à morte, que para isso lançariam mão de subterfúgios, e mesmo assim Jesus afirma que essa “raça de víboras” entraria no Reino do Céu. Entretanto, antes deles chegariam os cobradores de impostos e as prostitutas, considerados como gente de má vida, que, por sua vez, também lá chegariam. Isso acontece porque todos somos filhos de Deus: “o Pai que está no céu não quer que nenhum desses pequeninos se perca”. (Mt 18,14). E, para reforçar, completamos com: “o bom pastor dá a vida por suas ovelhas” (Jo 10,11), que “deixa as noventa e nove ovelhas para procurar aquela que se perdeu” (Mt 18,12), que afirmou “tenho outras ovelhas que não são desse aprisco” (Jo 10,16) e, que ao final arremata “haverá um só rebanho e um só pastor” (Jo 10,16).

Assim, de onde essa liderança religiosa tira ensinamentos que entram em conflito com esses.

As interpretações são algumas vezes equivocadas devido a ignorância, outras, por mais se apegarem à letra e por fim, pelo mau-caráter de alguns, já que, para esses, se for preciso “subornam” a verdade para conseguirem seus objetivos.

A evidência de que todos chegarão ao reino do céu, é cristalina, apesar de que dizem ser somente os fiéis que os seguem: “São cegos guiando cegos. Ora, se um cego guia outro cego, os dois cairão num buraco”. (Mt 15,14).

PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 20:43

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

TERCEIRO ANO

 

PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 03:02

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

TERCEIRO ANIVERSÁRIO


PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 01:01

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

O ESPÍRITO SANTO QUE SOMOS

 

Quando os bispos do Concílio Ecumênico de Constantinopla (381) instituíram a doutrina do Espírito Santo e as bases da doutrina da Santíssima Trindade, instalou-se no cristianismo uma das maiores crises teológicas de sua história. Assim é que, já naquela época longínqua e de grande atraso intelectual, essas doutrinas e outras dogmáticas encontraram muita resistência entre os cristãos, as quais se firmaram na Igreja não pela lógica e a razão, mas à base da espada e da fogueira. A voz da consciência de cada cristão recebia um ultimado: ou crê ou morre!

Não Negamos o Espírito Santo, apenas não concordamos com a significação contrária à da Bíblia que Lhe conferiram os teólogos. Na verdade, Ele é como um substantivo coletivo que designa todos os espíritos. No Velho Testamento, só existe Javé. No Novo Testamento e no princípio do cristianismo, o Espírito Santo, como os teólogos O imaginaram no citado concílio, é totalmente desconhecido. Mas era conhecido como sendo Espírito Santo do próprio indivíduo: “Deus suscitou o Espírito Santo de um homem muito jovem chamado Daniel” (Daniel 13,43, Bíblia Católica). São Paulo, ao falar em dons espirituais (1 Coríntios 12,10), refere-se aos dons espirituais do Espírito Santo da própria pessoa, pois também Paulo não conheceu o Espírito Santo da Santíssima Trindade: “Porque, se eu orar em outra língua, meu espírito ora de fato...” (1 Coríntios 14,14). “Nosso corpo é santuário do (dum como está no original grego) Espírito Santo” (1 Coríntios 6,19). E o nosso Espírito Santo é de fato santo, mesmo que seja ainda apenas em estado potencial (forma de semente), pois foi gerado por Deus: “... e lhe soprou nas narinas o fôlego (o Espírito Santo ou alma) da vida, e o homem passou a ser alma vivente” (Gênesis 2,7).

Um sistema religioso com erros só subsiste sem crises, temporariamente. Até quando os teólogos vão continuar minando o cristianismo com seus erros doutrinários sobre o Espírito Santo, que, biblicamente, somos nós mesmos em espíritos?

PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 00:38

LINK DO POST | COMENTAR | favorito
Domingo, 24 de Janeiro de 2010

ADÃO NÃO FOI O PRIMEIRO HOMEM, MAS APENAS O PRIMEIRO HEBREU

O versículo quarto do capítulo sexto do Gênesis informa: "Ora, naquele tempo havia gigantes na Terra". O tempo referido é o da criação do homem. Se havia gigantes, Adão não era o primeiro homem, tanto mais que a própria Bíblia nos diz que os "filhos de Deus", que eram Adão e sua descendência, casavam-se com as "filhas dos homens". É o que vemos no versículo dois do Cap. VI: "Vendo os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, tomaram para si mulheres", e ainda no versículo quarto, já acima citado: "e também depois, quando os filhos de Deus possuíram as filhas dos homens, as quais lhes deram filhos".

Verifica-se no texto uma dubiedade, parecendo haver uma diferença entre os gigantes e os homens, mas não se poderia explicar as "filhas dos homens", se não fossem filhas dos gigantes. Essa dubiedade se explica pela Mitologia. Os gigantes, na verdade, são figuras mitológicas que aparecem no texto bíblico, da mesma maneira que nos textos hindus, egípcios e na "Gigantemaquia", poema que se considera como fragmento extraviado da "Teogonia" de Hesiodo. A Bíblia herdou dos antigos livros mesopotâmicos alenda mitológica dos gigantes. Esse fato comprova a tese espírita da raça adâmica, que na verdade nada mais é do que o povo hebreu.
O exame do texto bíblico, à luz da Antropologia Cultural e da Mitologia, prova que Adão é apenas o primeiro hebreu e não o primeiro homem. A lenda de Adão e Eva é o capítulo mitológico da História dos Judeus, como a lenda grega de Deucalião e Pirra é o da História dos Hebreus. As duas histórias se confundem, de tão semelhantes, no caso do dilúvio. Assim como Heleno foi o primeiro homem para os gregos, Adão foi o primeiro para os judeus. A falta de conhecimento histórico e a falsa interpretação teológica da Bíblia transformaram uma antiga lenda mitológica em verdade revelada. O Espiritismo não endossa esse absurdo.
Curioso notar que Deucalião, o Noé grego, e Pirra, sua mulher, tiveram três filhos, como aconteceu com Adão e Eva e depois com Noé. Em todas essas coincidências comprova-se a origem mitológica e a presença dos arquétipos coletivos nas passagens supostamente históricas da Bíblia. Querer sustentar a realidade desses relatos ingênuos e impô-los ao povo como verdade divina é querer confundir religião com superstição. O Espiritismo prefere esclarecer esses problemas à luz da razão.
tags:
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 22:21

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

.MAIS SOBRE MIM

.PESQUISAR NESTE BLOG

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27

.POSTS RECENTES

. FÉ RACIOCINADA

. COISAS TERRÍVEIS E INGÊNU...

. CAIM FUNDOU UMA CIDADE SE...

. OS HERÓIS DA ERA NOVA

. CONFLITOS E PERFEIÇOAMENT...

. GRATIDÃO: UM NOVO OLHAR S...

. PERDÃO DE DEUS

. A FÉ: MÃE DA ESPERANÇA E ...

. NO CRISTIANISMO RENASCENT...

. EM PAUTA – A TRISTE FESTA

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds