Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2011

NINGUÉM SE CASA COM A PESSOA ERRADA


Com tristeza, verificamos no seio das atuais sociedades ocidentais de nosso planeta, e de modo já bastante arraigado no Brasil, a prática abusiva dos divórcios, dos ajuntamentos clandestinos, das separações irresponsáveis com o abandono da família e dos escândalos recheados de cinismo.

E mais: há até quem chega ao exagero de manifestar propósitos relacionados com a extinção ou abolição do casamento, como se tratasse de costume desnecessário.

A propósito, no momento em que rascunhamos este trabalho, somos chamados à atenção, por nossa esposa, para mais um escândalo através da mídia relacionado com o número excessivo de adolescentes grávidas entre 10 e 19 anos. São mães solteiras que, em sua maioria, terão de abandonar a escola para cuidar de filhos sem pais! O próprio Ministro da Saúde se mostra preocupado, achando que tal situação tão seriamente desoladora é conseqüência dos maus exemplos oferecidos pelos adultos. Aliás, a essa situação de se procurar pôr filhos no mundo, na condição de mães solteiras, o ministro cognominou de produção independente. Independente quanto ao arbítrio, sim; mas de modo algum quanto às conseqüências que acarreta às suas famílias, a esses filhos e ao próprio Estado.

O caso é citado aqui dada a oportunidade do assunto e em face de uma entrevista que acompanháramos, não faz muito tempo, quando um juiz da infância e da juventude orientava a uma mãe solteira, dizendo-lhe que filho vem ao mundo para ter pai e mãe, que a sua educação precisa contar com esse duplo apoio. Dava a entender a todos que estavam presentes àquela solene audiência ser essa a função primacial do casamento: assistência e educação aos filhos, com vistas ao bem-estar e defesa da própria sociedade.

Realmente, essa é a finalidade essencial do casamento num mundo que valoriza a civilização. Caso contrário, a Ciência Espírita, que se encontra na Terra por determinação divina, desde abril de 1857, não lhe daria enfoque tão elevado nas questões 695 a 699 de “O Livro dos Espíritos”, obra máxima do Espiritismo.

Não se trata de mero comentário. É manifestação dos Espíritos superiores por determinação divina, através da mediunidade, advertindo o homem planetário quanto à sua responsabilidade de criatura de Deus presa no escafandro carnal.

Já temos tido diversas oportunidades de tratar desse assunto em palestras nas casas espíritas. E, aqui, ele vem a propósito de uma interessante reportagem, na televisão, a respeito das causas de divórcios ou separações de casais, em que se tenta demonstrar que a razão dos fatos deve encontrar-se nos casamentos indevidos, quando alguém se consorcia com a pessoa errada. Se os homens atentassem bem nos ensinos do Evangelho, pensariam melhor antes de externar certos juízos relacionados com as separações no casamento.

Vejamos de que modo Jesus respondeu aos fariseus, quando, para tentá-lo, indagaram se era lícito ao homem abandonar a sua mulher por qualquer motivo. E como o Mestre respondesse em sentido contrário, citando a lei divina, eles perguntaram por que Moisés mandou dar-lhe carta de divórcio e abandoná-la?

E Jesus, Cristo de Deus, responde-lhes com estas palavras: “Moisés, por causa da dureza de vossos corações, vos permitiu repudiar as vossas mulheres; mas no princípio não foi assim” (Mateus, 19:3-8).

A bem da verdade, ninguém casa com a pessoa errada, seja qual tenha sido o móvel do casamento. Enganam-se os que assim pensam. Os casamentos são sempre acertados ou melhor preparados na vida espiritual, em face dos desacertos, abusos, crimes ou incontinência moral praticados em encarnações anteriores. De modo que os Espíritos comprometidos com a lei divina, no passado, reencarnam com o fim de reparar esses males que envolveram, até mesmo, os que virão depois na condição de filhos.

A reencarnação é a grande e luminosa forma de aperfeiçoamento das almas e reparação dos erros em que se comprometeram por desatentas às leis que regem a Vida. Um dia, quando a Humanidade toda atentar no papel do Espiritismo no mundo, compreenderão que ele não veio para destruir as religiões, pelo contrário, veio para iluminá-las, esclarecendo-as, sobre a lei das vidas múltiplas como meio de purificação dos Espíritos. Nesse dia, todos compreenderão melhor a importante função do casamento.

Compreenderão todos que não há, e nunca houve, casamento errado, nem mesmo no tempo em que os casamentos eram determinados pela tirania dos pais, em face de interesses de ordem econômica e social; nem mesmo quando, ainda hoje, alguém se aproxima de uma mulher ou de um homem com intenções levianas!... Ah, homens do mundo como sois imperfeitos e atrasados, mesmo quando vos vangloriais de vossos títulos acadêmicos!

Cada indivíduo está casado ou vai casar-se com a pessoa certa, com quem se comprometeu na teia dos desatinos e das paixões, num passado distante. O que ocorre é que, após o enlevo das fantasias à qual dão o nome de paixão, caem as máscaras e cada um passa a ver o outro tal como ele é. Porque os casamentos, em nossas sociedades, ainda são provacionais em sua grande maioria. Estudai bem, homens do mundo, a Revelação Espírita.

Há os casamentos de almas que não se rebelam diante do realismo de suas provas ou expiações. E esses são tidos como felizes. E os filhos que deles se originam dispõem de melhor condição de se prepararem para a vida. São casamentos felizes, muitas vezes na aparência, porque representam uniões de almas um pouco mais evolvidas no processo de seu caminhar incessante na direção do infinito bem.

Naqueles lares, porém, onde os pais reagem ou se rebelam diante da prova ou da expiação, os filhos se sentem infelizes e correm riscos sérios em relação à sua formação social, por cujos desajustes os pais responderão mais tarde.

Os divórcios ou separações ocorrem em função do livre-arbítrio de cada casal ou do cônjuge responsável, mas não se encerram aí. Esses Espíritos deverão encontrar-se mais adiante, no roteiro da marcha evolutiva, depois de sofrerem bastante, no cumprimento dos compromissos que retardaram!...

INALDO LACERDA LIMA
Reformador Dez/99
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 13:45

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

.MAIS SOBRE MIM

.PESQUISAR NESTE BLOG

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27

.POSTS RECENTES

. FÉ RACIOCINADA

. COISAS TERRÍVEIS E INGÊNU...

. CAIM FUNDOU UMA CIDADE SE...

. OS HERÓIS DA ERA NOVA

. CONFLITOS E PERFEIÇOAMENT...

. GRATIDÃO: UM NOVO OLHAR S...

. PERDÃO DE DEUS

. A FÉ: MÃE DA ESPERANÇA E ...

. NO CRISTIANISMO RENASCENT...

. EM PAUTA – A TRISTE FESTA

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds