Terça-feira, 5 de Junho de 2007

A IMPOSSIBILIDA LÓGICA DA EXISTENCIA DO DIABO

O mal sempre acompanhou o homem, sempre esteve concretamente em sua vida por meio de suas manifestações objetivas; a dor e o sofrimento. Os vulcões e os terremotos, os tsunames, os tornados, as epidemias, as doenças crônicas são as formas mais comuns do que poderíamos chamar de mal natural ou físico. Ao lado deste tipo de mal, há um outro que vamos chamar de mal moral, ou seja, mal que tem por causa os desvios da conduta humana como: os homicídios, roubos e furtos, a perversidade, a traição e a mentira, entre outros.
Assim que o homem foi capaz de pensar teologicamente, surgiu à necessidade de se explicar a origem do mal e esta foram atribuídas aos deuses já que eles eram considerados os autores de todas as coisas existentes, boas ou más. A medida, porém, que a teologia foi se sofisticando, houve também uma depuração de conceito de Deus, chegando-se ao deus único que seria infinitamente bom e justo. Então, uma outra questão é posta: como um deus infinitamente justo e bom poderia ter criado o mal? A questão era muito antiga. Já Epicuro de Samos, no século IV, colocava a seguinte questão: ou Deus quer acabar com o mal e não pode ou pode, mas não quer. No primeiro caso é fraco e incapaz e no segundo é perverso e mau, qualidades impossíveis de serem atribuídas a Deus. A solução encontrada por Epicuro foi a seguinte: os deuses existem, são feitos de átomos sutilíssimos e vivem em regiões longínquas do espaço infinito em estado de eterna felicidade e por isso não se ocupam dos negócios humanos nem para o bem nem para o mal.
Foi esta idéia que, no século XIX, o poeta dos escravos Antonio Castro Alves resgatou em versos condoreiros em seu poema Vozes da África.
Deus, ó Deus onde estás que não respondes.
Em que sol, em que estrelas tu te escondes?
Embuçado nos céus?
Há dois mil anos te mandei meu grito.
Que embalde, desde então percorre o infinito.
Onde estás, onde estás Senhor Deus?

Nesse poema, o poeta dá voz à África e esta questiona Deus que, sem argumentos, se esconde embuçado nos céus. Assim, voltamos à questão epicurista: Deus quer acabar com o sofrimento dos escravos, mas não pode ou pode, mas não quer.
Para resolver esta questão, na Idade-Média, a igreja Romana tomou do profeta Zoroastro ou Zaratustra a idéia de um demônio metafísico chamado Arhiman que disputa com Ormusd, o deus do bem, a alma do homem. Assim, transfere-se para o demônio a responsabilidade do mal no mundo.
Esta não foi uma boa solução uma vez que levava a uma outra questão: quem criou o diabo? A resposta lógica é a seguinte: se Deus criou todos os seres existentes tanto na ordem física quanto na ordem metafísica e o diabo existe, logo Deus criou o diabo; entretanto, é impossível que um deus infinitamente bom e justo tenha criado um ser voltado para o mal; ora se Deus não pode ter criado o diabo nem o diabo pode ter criado a si mesmo, logo o diabo não existe.
Para buscar uma solução para este problema, os teólogos inventaram o mito dos anjos rebeldes.
Segundo esta narrativa Deus não teria criado o diabo, mas apenas os anjos que eram bons e perfeitos, porém, um dia, um deles, exatamente o mais belo, por nome de Lúcifer, revoltou-se contra o seu criador e chefiou um motim no céu. Deus mandou contra os revoltados as suas milícias celestes e venceu os rebeldes que foram expulsos das regiões celestes e enviado para o inferno, uma região equivalente ao tártaro da mitologia grega.
Examinemos com maior cuidado este mito. Os anjos se rebelam contra Deus. Muito bem. Mas como é possível que alguém se rebele contra a perfeição? Dizem os defensores desta tese que o motivo da rebelião não estava em Deus, mas nos próprios revoltados. Ora, se eles tinham a semente da revolta e do mal em si, logo foram criado imperfeitos e estamos de volta a questão que desejamos evitar, ou seja, um Deus bom criando o mal, um Deus perfeito criando a imperfeição.
Como se pode ver, com facilidade, este mito não resiste a menor crítica. Fiquemos, portanto com a Doutrina dos Espíritos que, em um livro notável, intitulado O Céu e O Inferno, negando tanto a existência dos anjos bons como a dos anjos maus ou demônios, desviando-se do mito tradicional, apresenta o demônio não como um Espírito condenado eternamente ao mal mas como Espíritos que, usando seu livre arbítrio afastaram-se do bem. Este afastamento não é eterno e vai depender dos esforços que eles fizerem na direção da luz
Texto retirado do Jornal Correio Espírita de Maio/07
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 19:51

LINK DO POST | COMENTAR | favorito
1 comentário:
De Anónimo a 27 de Novembro de 2008 às 11:28
se o diabo nao existe,com quem o senhor jesus converou no ermo? será que ele foi tentado pelo mal dentro de si??

Comentar post

.MAIS SOBRE MIM

.PESQUISAR NESTE BLOG

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27

.POSTS RECENTES

. FÉ RACIOCINADA

. COISAS TERRÍVEIS E INGÊNU...

. CAIM FUNDOU UMA CIDADE SE...

. OS HERÓIS DA ERA NOVA

. CONFLITOS E PERFEIÇOAMENT...

. GRATIDÃO: UM NOVO OLHAR S...

. PERDÃO DE DEUS

. A FÉ: MÃE DA ESPERANÇA E ...

. NO CRISTIANISMO RENASCENT...

. EM PAUTA – A TRISTE FESTA

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds