Quarta-feira, 9 de Março de 2011

NA DIFUSÃO DO ESPIRITISMO

“E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos se não desfalecermos.” — Paulo.
(GÁLATAS, 6:9.)

Difundamos sempre o Bem — falando, escrevendo e, sobretudo, esforçando-nos por sua exemplificação na vida cotidiana — mesmo que o mal resida ainda em nós, retendo-nos nas faixas da insegurança.
Divulgando-o, em todas as suas faces, esta¬remos não só consolidando o “pouco” já adquirido, mas, também, induzindo os que nos ouvem, nos lêem e nos observam, a que amem o Bem e ao Bem procurem afeiçoar-se.
Falemos, escrevamos e exemplifiquemos o Bem, segundo nossas possibilidades, ainda que se não tenha ele instalado em nossa alma, de forma definitiva.
Falemos de tudo que edifica.
Da Alegria — ainda que, muita vez, seja¬mos surpreendidos pelo desalento injustificável...
Do Altruísmo — embora observando que o egoísmo ainda se não ausentou de nossa realidade espiritual...
Do Desprendimento — como recurso à felicidade maior, mesmo que sintamos, em nós, o apego aos bens perecíveis...
Da Simplicidade — ainda que a ostentação, interior e exterior, fale de nossa condição...
Da Humildade — por sublime virtude evangélica, notando, embora, que o orgulho ainda é um companheiro semimorto nos escaninhos do nosso pensamento
Do Equilíbrio — por norma de engrandecimento moral; mesmo verificando que ainda não apresentamos condições para vivê-lo integral e plenamente...
Utilizemos as energias de que dispomos para exemplificar o Bem junto aos nossos semelhantes, como precioso recurso de aproximação fraterna, embora ainda não o possamos praticar da maneira preceituada pelo Evangelho do Reino e pela Doutrina Espírita.
*
A orientação do doutor de Tarso é oportuna e convincente, inclusive sob o ponto de vista da lei de Causa e Efeito, da qual o Espiritismo se fez também arauto: “E não nos cansemos de fazer o Bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos.
Sim, companheiros de Ideal Espírita, difundam os sempre as coisas que edificam e constroem para a Eternidade.
Não consintamos que a nossa boca ou as nossas mãos se prestem à inglória tarefa de, pela palavra e pela pena, expandir o mal.
Nossas imperfeições não nos dão o direito de apologizarmos o mal, em qualquer de suas expressões; apesar delas, sentimos o imperativo de enaltecer da vida, que é tão sublime e bela em seus objetivos, o lado bom, a fim de, que, servindo-nos ainda da inspiração de Paulo, não tenhamos a boca “cheia de maldição e de amargura”.
Emmanuel, iluminado Instrutor, no sentido mais exato que a palavra encerra, acentua, em educativa mensagem, que “a disciplina antecede a espontaneidade” — frase que, em nosso entendimento, pode ser assim traduzida: Até que atinjamos posição espiritual em que a atividade no Bem se realize com naturalidade, cabe-nos o imperativo de praticá-lo, contrariando, inclusive, nossos impulsos e sentimentos.
A evolução é fruto de constante esforço. Quem se entrega ao erro, ao erro se escraviza; quem dele sai, reintegra-se no equilíbrio, renova-se para a Luz.
*
Difundamos e pratiquemos, incansavelmente, tudo quanto, pelo conhecimento já adquirido, constitui a razão de ser de nossas lutas e aspirações atuais — e que, no Grande Porvir, será luminosa e definitiva realidade em nosso caminho.
Usemos a palavra e a pena em favor do que é bom, do que ajuda, harmoniza e constrói; no entanto, é imprescindível não esqueçamos o imperativo da aplicação do que difundimos.
Todo o nosso empenho deve ser no sentido de nunca desmentirmos o que pregamos, muito embora nem sempre isto seja possível, dada a fragilidade de nossas conquistas espirituais.
Eventuais desacertos e enganos, consequen¬tes da instabilidade que ainda assinala nossa posição evolutiva, não devem nem podem justificar, em hipótese alguma, transformemo-nos em semeadores do desânimo e do egoísmo, da avareza e da ostentação, do orgulho e do desequilíbrio.
Nosso dever imperioso, na difusão do Espiritismo, consiste em fazermos que nossas mãos e bocas veiculem sempre, em quaisquer circunstâncias de nossa vida, a frase de esclarecimento e de consolação. Falando, escrevendo e praticando, na medida de nossos recursos, o Infinito Bem, contribuiremos para que a Doutrina Espírita, sob o radioso pálio do Evangelho do Senhor, cumpra, por divino emissário da Esperança e da Caridade, seus objetivos junto ao coração humano.

Fonte: Reformador – agosto, 1964
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 15:30

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

.MAIS SOBRE MIM

.PESQUISAR NESTE BLOG

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27

.POSTS RECENTES

. FÉ RACIOCINADA

. COISAS TERRÍVEIS E INGÊNU...

. CAIM FUNDOU UMA CIDADE SE...

. OS HERÓIS DA ERA NOVA

. CONFLITOS E PERFEIÇOAMENT...

. GRATIDÃO: UM NOVO OLHAR S...

. PERDÃO DE DEUS

. A FÉ: MÃE DA ESPERANÇA E ...

. NO CRISTIANISMO RENASCENT...

. EM PAUTA – A TRISTE FESTA

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds