Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2008

MEDITANDO O NATAL

Na exaltação do Natal do Senhor, acalentemos nossa fé em Jesus, sem nos esquecermos da fé que Jesus deposita em nós.
Não desceria o Senhor da comunhão com os Anjos, sem positiva confiança nos homens.
É por isso que, da Manjedoura de Simplicidade e Alegria à Cruz da Renunciação e da Morte, vemo-lo preocupado na recuperação das criaturas.
Convida pescadores humildes ao seu ministério salvador e transforma-os em advogados da redenção humana.
Vai ao encontro de Madalena, possuída pelos adversários do bem, e converte-a em mensageira de luz.
Chama Zaqueu, mergulhado no conforto da posse material, e faz dele o administrador consciente e justo.
Não conhece qualquer desânimo, ante a negação de Pedro, e nele edifica o apóstolo fiel que lhe defenderia o Evangelho até ao martírio e à cruciificação.
Não se agasta com as dúvidas de Tomé e eleva-o à condição de missionário valoroso, que lhe sustenta a Causa, até ao sacrifício.
Não se sente ofendido aos golpes da incompreensão de Saulo, o perseguidor, e visita-o, às portas de Damasco, investindo-o na posição de emissário de Sua Graça, coroado de claridades eternas ...
A fé e o otimismo do Cristo começaram na descida à estrebaria singela e continuam, até hoje, amparando-nos e redimindo-nos, dia a dia ...
Assinalando, assim, os júbilos do Natal, recordemos a confiança do Mestre e afeiçoemo-nos à sua obra de amor e luz, tomando por marco de partida a nossa própria existência.
O Senhor nos conclama à tarefa que o Evangelho nos assinala ...
Nos primeiros três séculos de Cristianismo, os discípulos que lhe ouviram a Celeste Revelação levantaram-se e serviram-no com sangue e sofrimento, aflição e lágrimas.
Que nós outros estejamos agora dispostos a consagrar-lhe igualmente as nossas vidas, considerando o crédito moral que a atitude d'Ele para conosco significa ...
Aprendamos, trabalhemos e sirvamos, até que um dia, qual aconteceu ao velho Simeão, da Boa Nova, possamos exclamar ante a Presença Divina:
- "Agora, Senhor, despede em paz o teu servo, segundo a tua palavra, porque, em verdade, meus olhos já viram a salvação."
EMMANUEL
tags:
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 02:58

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

MEDITANDO O NATAL

Na exaltação do Natal do Senhor, acalentemos nossa fé em Jesus, sem nos esquecermos da fé que Jesus deposita em nós.
Não desceria o Senhor da comunhão com os Anjos, sem positiva confiança nos homens.
É por isso que, da Manjedoura de Simplicidade e Alegria à Cruz da Renunciação e da Morte, vemo-lo preocupado na recuperação das criaturas.
Convida pescadores humildes ao seu ministério salvador e transforma-os em advogados da redenção humana.
Vai ao encontro de Madalena, possuída pelos adversários do bem, e converte-a em mensageira de luz.
Chama Zaqueu, mergulhado no conforto da posse material, e faz dele o administrador consciente e justo.
Não conhece qualquer desânimo, ante a negação de Pedro, e nele edifica o apóstolo fiel que lhe defenderia o Evangelho até ao martírio e à cruciificação.
Não se agasta com as dúvidas de Tomé e eleva-o à condição de missionário valoroso, que lhe sustenta a Causa, até ao sacrifício.
Não se sente ofendido aos golpes da incompreensão de Saulo, o perseguidor, e visita-o, às portas de Damasco, investindo-o na posição de emissário de Sua Graça, coroado de claridades eternas ...
A fé e o otimismo do Cristo começaram na descida à estrebaria singela e continuam, até hoje, amparando-nos e redimindo-nos, dia a dia ...
Assinalando, assim, os júbilos do Natal, recordemos a confiança do Mestre e afeiçoemo-nos à sua obra de amor e luz, tomando por marco de partida a nossa própria existência.
O Senhor nos conclama à tarefa que o Evangelho nos assinala ...
Nos primeiros três séculos de Cristianismo, os discípulos que lhe ouviram a Celeste Revelação levantaram-se e serviram-no com sangue e sofrimento, aflição e lágrimas.
Que nós outros estejamos agora dispostos a consagrar-lhe igualmente as nossas vidas, considerando o crédito moral que a atitude d'Ele para conosco significa ...
Aprendamos, trabalhemos e sirvamos, até que um dia, qual aconteceu ao velho Simeão, da Boa Nova, possamos exclamar ante a Presença Divina:
- "Agora, Senhor, despede em paz o teu servo, segundo a tua palavra, porque, em verdade, meus olhos já viram a salvação."
EMMANUEL
tags:
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 02:58

LINK DO POST | COMENTAR | favorito
Domingo, 21 de Dezembro de 2008

OFERTA DE NATAL

Senhor!
Enquanto as melodias do Natal nos enternecem, recordamos também, ante a céu iluminado, a estrela divina que te assinalou o berço na palha singela!...
De novo, alcançam-nos os ouvidos as vozes angélicas:
- Glória a Deus nas Altura, paz na Terra, boa vantade para com os homens! ...
E lembramo-nos do tópico inesquecível da narrativa de Lucas (Evangelho de Lucas, 2: 8-11 ):
"Havia na região da manjedoura pastores que viviam nos campos e velavam pelos rebanhos durante a noite; e um anjo do Senhor desceu onde eles se achavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles, pelo que se fizeram tomados de assombro... O anjo, porém, lhes disse: não temais! eis que vos trago boas novas de grande alegria, que serão para todo o povo ... É que hoje vos nasceu, na cidade de David, o Salvador, que é o Cristo, o Senhor."
Desde o momento em que os pastores maravilhados se movimentaram para ver-te, na hora da alva, começaste, por misericórdia tua, à receber os testemunhos de afeição dos filhos da Terra.
Todavia, muito antes que te homenageassem com o ouro, o incenso e a mirra, expressando a admiração e a reverência do mundo, o teu cetro invisível se dignou acolher, em primeiro lugar as pequeninas dádivas dos últimos!
Só tu sabes, Senhor, os nomes daqueles que algo te ofertaram, em nome do amor puro, nos instantes da estrebaria:
A primeira frase de bênção ...
A luz da candeia que principiou a brilhar quando se apagaram as irradiações do firmamento ...
Os panos que te livraram do frio ...
A manta humilde que te garantiu o leito improvisado ...
Os primeiros braços que te enlaçaram ao colo para que José e Maria repousassem ...
A primeira tigela de leite.
O socorro aos pais cansados.
Os utensílios de empréstimo para que te não faltasse assistência...
A bondade que manteve a ordem, ao redor da manjedoura, preservando-a de possíveis assaltos.
Hoje, Senhor, Que quase vinte séculos transcorreram sobre o teu nascimento, nós, os pequeninos obreiros desencarnados, com a honra de cooperarem com o Evangelho Redivivo, pedimos vênia, para algo ofertar-te ... Nada possuindo de nós, trazemos-te as páginas simples que tu mesmo nos inspiraste, os pensamentos de gratidão e de amor que nos saíram do coração, em forma, de letras, em louvor de tua infinita bondade!
Recebe-os, Ó Divino Benfeitor, com a benevolência com que acolheste as primeiras palavras de respeito e os primeiros gestos de carinho com que as criaturas rudes e anônimas te afagam na gloriosa descida à Terra! ... E que nós - espíritos milenários fatigados do erro, mas renovados na esperança - possamos rever-te a figura sublime, nos recessos do coração, e repetir como o velho Simeão, após acariciar-te na longa vigília do Templo:
- «Agora, Senhor, despede em paz os teus servos, segundo a tua palavra, porque os nossos olhos viram a salvação! ... "
EMMANUEL
tags:
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 16:20

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

OFERTA DE NATAL

Senhor!
Enquanto as melodias do Natal nos enternecem, recordamos também, ante a céu iluminado, a estrela divina que te assinalou o berço na palha singela!...
De novo, alcançam-nos os ouvidos as vozes angélicas:
- Glória a Deus nas Altura, paz na Terra, boa vantade para com os homens! ...
E lembramo-nos do tópico inesquecível da narrativa de Lucas (Evangelho de Lucas, 2: 8-11 ):
"Havia na região da manjedoura pastores que viviam nos campos e velavam pelos rebanhos durante a noite; e um anjo do Senhor desceu onde eles se achavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles, pelo que se fizeram tomados de assombro... O anjo, porém, lhes disse: não temais! eis que vos trago boas novas de grande alegria, que serão para todo o povo ... É que hoje vos nasceu, na cidade de David, o Salvador, que é o Cristo, o Senhor."
Desde o momento em que os pastores maravilhados se movimentaram para ver-te, na hora da alva, começaste, por misericórdia tua, à receber os testemunhos de afeição dos filhos da Terra.
Todavia, muito antes que te homenageassem com o ouro, o incenso e a mirra, expressando a admiração e a reverência do mundo, o teu cetro invisível se dignou acolher, em primeiro lugar as pequeninas dádivas dos últimos!
Só tu sabes, Senhor, os nomes daqueles que algo te ofertaram, em nome do amor puro, nos instantes da estrebaria:
A primeira frase de bênção ...
A luz da candeia que principiou a brilhar quando se apagaram as irradiações do firmamento ...
Os panos que te livraram do frio ...
A manta humilde que te garantiu o leito improvisado ...
Os primeiros braços que te enlaçaram ao colo para que José e Maria repousassem ...
A primeira tigela de leite.
O socorro aos pais cansados.
Os utensílios de empréstimo para que te não faltasse assistência...
A bondade que manteve a ordem, ao redor da manjedoura, preservando-a de possíveis assaltos.
Hoje, Senhor, Que quase vinte séculos transcorreram sobre o teu nascimento, nós, os pequeninos obreiros desencarnados, com a honra de cooperarem com o Evangelho Redivivo, pedimos vênia, para algo ofertar-te ... Nada possuindo de nós, trazemos-te as páginas simples que tu mesmo nos inspiraste, os pensamentos de gratidão e de amor que nos saíram do coração, em forma, de letras, em louvor de tua infinita bondade!
Recebe-os, Ó Divino Benfeitor, com a benevolência com que acolheste as primeiras palavras de respeito e os primeiros gestos de carinho com que as criaturas rudes e anônimas te afagam na gloriosa descida à Terra! ... E que nós - espíritos milenários fatigados do erro, mas renovados na esperança - possamos rever-te a figura sublime, nos recessos do coração, e repetir como o velho Simeão, após acariciar-te na longa vigília do Templo:
- «Agora, Senhor, despede em paz os teus servos, segundo a tua palavra, porque os nossos olhos viram a salvação! ... "
EMMANUEL
tags:
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 16:20

LINK DO POST | COMENTAR | favorito
Sábado, 20 de Dezembro de 2008

O AMOR TUDO SOFRE

Tudo sofre...”- Paulo
(I CORÍNTIOS, 13:7.)

O noticiário terrestre reporta-se diariamente a desvarios cometidos em nome do amor.
Homicídios são perpetrados publicamente.
Suicídios sulcam de pranto e desolação a rota de lares esperançosos.
Furto, contenda, injúria e perversidade aprecem todos os dias invocando a inspiração do sentimento sublime.
Mulheres indefesas, homens dignos, jovens promissores e infelizes crianças, em toda a parte, sofrem abandono e aflição sob a legenda celeste.
Entretanto, só o egoísmo, traduzindo apego da alma ao bem próprio, é que patrocina os golpes da delinqüência, os enganos da posse, os erros da impulsividade e os desacertos da pressa... Apenas o egoísmo gera ciúme e despeito, vingança e discórdia, acusação e cegueira.
O amor, longe disso, sabe rejubilar-se com a alegria dos corações amados, esposando-lhes as lições e dificuldades, as dores e os compromissos.
Não se atropela, nem se desmanda.
Abraça o sacrifício próprio, em favor da felicidade da criatura a quem ama, a razão da própria felicidade.
Por esse motivo, o amor verdadeiro não há sinal de qualquer precipitação conclamando à imoderação ou à loucura.
O Apóstolo Paulo afirmou divinamente inspirado: - “O amor tudo sofre...”.
E, de nossa parte, acrescentamos: - O amor genuíno jamais se desregra ou se cansa, porque realmente sabe esperar.
EMMANUEL
Livro Palavras de vida eterna. Psicografia de Francisco Cândido Xavier
tags:
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 16:17

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

O AMOR TUDO SOFRE

Tudo sofre...”- Paulo
(I CORÍNTIOS, 13:7.)

O noticiário terrestre reporta-se diariamente a desvarios cometidos em nome do amor.
Homicídios são perpetrados publicamente.
Suicídios sulcam de pranto e desolação a rota de lares esperançosos.
Furto, contenda, injúria e perversidade aprecem todos os dias invocando a inspiração do sentimento sublime.
Mulheres indefesas, homens dignos, jovens promissores e infelizes crianças, em toda a parte, sofrem abandono e aflição sob a legenda celeste.
Entretanto, só o egoísmo, traduzindo apego da alma ao bem próprio, é que patrocina os golpes da delinqüência, os enganos da posse, os erros da impulsividade e os desacertos da pressa... Apenas o egoísmo gera ciúme e despeito, vingança e discórdia, acusação e cegueira.
O amor, longe disso, sabe rejubilar-se com a alegria dos corações amados, esposando-lhes as lições e dificuldades, as dores e os compromissos.
Não se atropela, nem se desmanda.
Abraça o sacrifício próprio, em favor da felicidade da criatura a quem ama, a razão da própria felicidade.
Por esse motivo, o amor verdadeiro não há sinal de qualquer precipitação conclamando à imoderação ou à loucura.
O Apóstolo Paulo afirmou divinamente inspirado: - “O amor tudo sofre...”.
E, de nossa parte, acrescentamos: - O amor genuíno jamais se desregra ou se cansa, porque realmente sabe esperar.
EMMANUEL
Livro Palavras de vida eterna. Psicografia de Francisco Cândido Xavier
tags:
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 16:17

LINK DO POST | COMENTAR | favorito
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

O EVANGELHO

Entre a Manjedoura e o Calvário, guarda-se a lição eterna do Cristo. Na primeira, ergue-se a humildade, clarificando o caminho dos homens; no segundo, erguem-se a esperança e a resignação na Providência Divina.
Nesses dois capítulos, imensos pela sua expresssão simbólica, encerra-se todo o monumento de filosofias do Cristianismo.
Vinte séculos decorreram.
Os primeiros mártires da fé edificaram as bases da doutrina do Crucificado sobre a face do mundo. Uma luz poderosa irradiava-se da cruz, iluminando as estradas da evolução em todo o Planeta. Todos os deuses do politeísmo romano desapareceram dentro do novo conhecimento da verdade. A poesia grega, que ainda era a fonte essencial da inspiração do mundo, teve as suas bases regeneradas peja doce lição da Divina Vítima.
Mas, a ambição de domínio sobrepõe-se ao sacrifício e ao martírio. O imperialismo romano não tardou a se manifestar, travestido nas mitras episcopais, e a grande lição do Calvário foi esquecida, no abismo das exterioridades religiosas. A má-fé e o embuste rodearam o Evangelho, enegrecendo-lhe as páginas, e a figura luminosa do Cristo foi adaptada por todas as filosofias, por todas as escolas e interesses particulares. O Evangelho serviu de instrumento para lutas e morticínios. Os homens, tocados de egoísmo e ambição, procuraram torcer·lhe os ensinos, como se estes se constituísssem de textos de leis humanas e falíveis. Raros corações entenderam o "amai··vos" da lição imorrredoura do Sublime Enviado. E o resultado da grande incompreensão é presentemente vivido pela vossa época de supremas angústias.
Será, talvez, ociosa a vós outros nossa insistência no exame da civilização em curso, falha de valores espirituais. Acresce notar, porém, que o nosso esforço deve caracterizar-se pelo trabalho de encaminhar a luz divina ao vosso entendimento. O mundo, na atualidade, experimenta transições angustiosas e rudes. Para a culminância da luta deste crepúsculo de civilização, a corrida armamentista, no Planeta, custa às nações fabulosas fortunas por dia, ignorando-se, na estatística exata, os elementos despendidos na educação do povo e na assistência às massas.
No entanto, os políticos, os falsos sacerdotes e todos os cientistas da Terra enganam-se em suas ingratas cogitações. A direção do orbe pertence a Jesus, cuja mão divina permanece no leme, apesar da escuridão da noite e não obstante a força destruidora da procela.
Os grandes gênios da Espiritualidade Superior reúnem-se no Infinito, examinando o curso dos destinos humanos, e, enquanto lembrais, em vossa assembléia humilde, o vulto luminoso da cruz, prepara-se no ilimitado um novo dia para o conhecimento terrestre.
O Cristianismo marcou uma era diferente e os séculos futuros viverão à claridade de uma outra luz que, em breve, raiará nos horizontes da Terra, para o coração aflito e sofredor da Humanidade.
EMMANUEL
tags:
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 01:43

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

O EVANGELHO

Entre a Manjedoura e o Calvário, guarda-se a lição eterna do Cristo. Na primeira, ergue-se a humildade, clarificando o caminho dos homens; no segundo, erguem-se a esperança e a resignação na Providência Divina.
Nesses dois capítulos, imensos pela sua expresssão simbólica, encerra-se todo o monumento de filosofias do Cristianismo.
Vinte séculos decorreram.
Os primeiros mártires da fé edificaram as bases da doutrina do Crucificado sobre a face do mundo. Uma luz poderosa irradiava-se da cruz, iluminando as estradas da evolução em todo o Planeta. Todos os deuses do politeísmo romano desapareceram dentro do novo conhecimento da verdade. A poesia grega, que ainda era a fonte essencial da inspiração do mundo, teve as suas bases regeneradas peja doce lição da Divina Vítima.
Mas, a ambição de domínio sobrepõe-se ao sacrifício e ao martírio. O imperialismo romano não tardou a se manifestar, travestido nas mitras episcopais, e a grande lição do Calvário foi esquecida, no abismo das exterioridades religiosas. A má-fé e o embuste rodearam o Evangelho, enegrecendo-lhe as páginas, e a figura luminosa do Cristo foi adaptada por todas as filosofias, por todas as escolas e interesses particulares. O Evangelho serviu de instrumento para lutas e morticínios. Os homens, tocados de egoísmo e ambição, procuraram torcer·lhe os ensinos, como se estes se constituísssem de textos de leis humanas e falíveis. Raros corações entenderam o "amai··vos" da lição imorrredoura do Sublime Enviado. E o resultado da grande incompreensão é presentemente vivido pela vossa época de supremas angústias.
Será, talvez, ociosa a vós outros nossa insistência no exame da civilização em curso, falha de valores espirituais. Acresce notar, porém, que o nosso esforço deve caracterizar-se pelo trabalho de encaminhar a luz divina ao vosso entendimento. O mundo, na atualidade, experimenta transições angustiosas e rudes. Para a culminância da luta deste crepúsculo de civilização, a corrida armamentista, no Planeta, custa às nações fabulosas fortunas por dia, ignorando-se, na estatística exata, os elementos despendidos na educação do povo e na assistência às massas.
No entanto, os políticos, os falsos sacerdotes e todos os cientistas da Terra enganam-se em suas ingratas cogitações. A direção do orbe pertence a Jesus, cuja mão divina permanece no leme, apesar da escuridão da noite e não obstante a força destruidora da procela.
Os grandes gênios da Espiritualidade Superior reúnem-se no Infinito, examinando o curso dos destinos humanos, e, enquanto lembrais, em vossa assembléia humilde, o vulto luminoso da cruz, prepara-se no ilimitado um novo dia para o conhecimento terrestre.
O Cristianismo marcou uma era diferente e os séculos futuros viverão à claridade de uma outra luz que, em breve, raiará nos horizontes da Terra, para o coração aflito e sofredor da Humanidade.
EMMANUEL
tags:
PUBLICADO POR SÉRGIO RIBEIRO às 01:43

LINK DO POST | COMENTAR | favorito

.MAIS SOBRE MIM

.PESQUISAR NESTE BLOG

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27

.POSTS RECENTES

. INIMIGO REAL

. SOBRE O CARNAVAL

. PAI E AMIGO

. ANJOS DESCONHECIDOS

. SOLIDÃO

. ENTES AMADOS

. ENTES AMADOS

. EM FAVOR DOS DESENCARN...

. EM FAVOR DOS DESENCARN...

. A VIDA E A MORTE

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds